101 Dicas de C R

101 Dicas de Captação de Recursos
101 DICAS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS

1979 por
Howard E. Fisher.

1. Prepare suas propostas de acordo com a personalidade, interesses e exigências do doador potencial.

2. Indique os benefícios da doação para o doador potencial: dedução dos impostos, publicidade, etc.

3. Se a doação pura e simples não despertar interesse, proponha um tipo de “competição” ou “desafio”.

4. Pesquise doações “em espécie” (serviços, suprimentos, equipamentos).

5. Pesquise o seu pessoal para determinar contatos com possíveis doadores.

6. Verifique com segurança a época oportuna para sua solicitação.

7. Procure informar-se sobre propostas de outros arrecadadores.

8. As propostas devem ser bem organizadas, datilografadas com perfeição de forma apurada e apresentando orçamentos razoáveis.

9. A proposta deve indicar as qualificações de um grupo gerencial competente.

10. Os projetos devem ser originais, únicos, inovadores, criativos e viáveis.

11. Demonstre sua dedicação e envolvimento com os objetivos do projeto.

12. Inclua na proposta um mecanismo independente para avaliação do projeto.

13. Demonstre como o projeto poderá servir como uma prévia, protótipo ou modelo para outros projetos semelhantes.
14. Demonstre através de estatísticas ou pesquisas, a necessidade do projeto.

15. Demonstre que um número significativo de pessoas serão beneficiadas pelo projeto.

16. Estabeleça uma larga base de apoio com uma parte de sua comunidade.

17. Contato pessoal direto com a pessoa responsável pela decisão final sobre a doação é a melhor para se vender o projeto.

18. Procure doações iniciais (“começar a lista”) com sua Diretoria e Conselho.

19. Procure mostrar alguma evidência palpável do sucesso ou das possibilidades de sucesso que advirão.

20. Seja entusiasta e confiente.

21. Demonstre pesquisas e planejamento cuidadosos.

22. Indique outras fontes de recursos.

23. Demonstre que outros não estão conseguindo preencher as necessidades que sua organização pretende.

24. Apresente sua proposta com bastante antecedência das datas finais.

25. Desenvolva e descreva cuidadosamente finalidades e objetivos.

26. Obedeça explicitamente as indicações de aplicação da doação, quando estas forem fornecidas.

27. Planeje um programa para “associação permanente” à medida que você planeja o seu “recrutamento”.

28. Considere um programa de marketing para vendas dos produtos ou serviços relacionados.

29. Faça um programa orçamentário para cada projeto de arrecadação de fundos.

30. Crie um tema para cada evento dos projetos de arrecadação de fundos.

31. Crie uma psicologia de campanha.

32. Não deixe de enviar notas de agradecimento aos doadores.

33. Mantenha registros detalhados e precisos de receitas e despesas e analise cada projeto ao seu final, para poder efetuar reduções/economias subsequentes e aumentar a produtividade de outros programas.

34. Cada evento deve Ter uma finalidade específica – valor a ser arrecadado e no que serão utilizados os fundos recolhidos.

35. Para cada evento das campanhas, ofereça “trocas” de ingressos, etc. Antes de comprá-los.

36. Obtenha doações de comerciantes ou industriais de área para os seus programas de vendas.

37. Procure associar-se a organizações já bem estabelecidas para projetos conjuntos de arrecadação de fundos.

38. Consiga economizar grandes somas nos programas de arrecadação utilizando-se das vantagens da “mídia livre”, apoiado em mandatos legais dos serviços públicos de rádio e televisão.

39. Procure programar as datas de cada evento com antecedência eliminando acontecimentos conflitantes, que aumentam a competitividade reduzindo os valores das doações.

40. Estabeleça um programa de cooperação para o uso de equipamento e serviços com outras organizações na sua área.

41. Recorra ao “expertise” gratuito disponível através de agências governamentais e organizações sem fins lucrativos.

42. É muito mais produtivo, mais econômico, listar possíveis doadores através de voluntários do que alugar ou comprar listagens de corretores.

43. Organize um comitê bastante forte, com seus diretores, voluntários e pessoal que possa abrir portas em todos os setores da sociedade.

44. Esteja sempre preparado para receber respostas negativas na maioria das solicitações que fizer a doadores em potencial.

45. Prepare perfis dos doadores potenciais procurando descobrir qual a melhor forma de obter desses doadores as suas contribuições.

46. Procure, através de voluntários, descobrir doadores de organizações semelhantes.

47. Coordene sua publicidade e promoção com as suas companhas de arrecadação de fundos.

48. Prepare um calendário global e um calendário de eventos para cada campanha.

49. Prepare uma descrição de cargo para cada função que deverá ser desempenhada durante a campanha e procure preencher os cargos com voluntários e membros.

50. Mobilize apoio para sua campanha através de políticos, homens de negócios proeminentes, especialistas de sua área, etc.

51. Utilize recursos audio-visuais para desenvolver os apelos da campanha.

52. Procure conhecer o melhor possível cada um dos doadores em potencial e prepare cuidadosamente o seu contato e a campanha de vendas.

53. Não deixe de demonstrar seu reconhecimento aos voluntários com um “tapinha nas costas”, reconhecimento público de suas contribuições, ingresso livre aos eventos, um certificado de agradecimento, etc.

54. Estruture adequadamente sua organização antes de começar a campanha de arrecadação de fundos.

55. Faça um pré-teste de suas novas ligações de doadores em potencial.

56. Procure montar seu projeto de forma a que o apelo se dirija às emoções de seu doador potencial.

57. Traduza as suas necessidades materiais em termos de elemento humano.

58. Considere um contato telefônico com os doadores em potencial com um substituto para uma mala direta, ou como follow-up da mala direta.

59. Prepare material descritivo atraente sobre sua organização, mas não o faça demasiado caro, pois mostraria desrespeito ao valor do dinheiro.

60. Procure “recrutar” um elemento chave para a sua campanha, que possua grande visão, respeito comunitário geral, habilidade de organização e um interesse genuíno pela sua organização.

61. Procure mostrar que o seu projeto provocará impacto nacional ou regional.

62. Se a arrecadação de fundos não mostrar resultados imediatos, considere a possibilidade de obter empréstimos, algumas vezes sendo possível prover ao financiador benefícios fiscais.

63. Estabeleça prioridades em termos de objetivos e quais os projetos que podem levá-lo mais depressa aos objetivos.

64. Prepare um relatório anual relacionando as atividades de sua organização, passadas e futuras e circule-o pela mídia, agências governamentais, doadores em potencial, etc.

65. Dê seu apoio a qualquer tipo de arrecadação comunitária, através de cópias de cartas de intenção anexadas à sua proposta de arrecadação.

66. Considere a possibilidade de obter contratos governamentais para sua organização, através de suas qualificações específicas.

67. Arrecadação de fundos requer muita originalidade de pesquisas, ingenuidade e capacidade de vendas.

68. Repita aqueles projetos que tiveram êxito, mas não o faça com muita freqüência.

69. Mantenha sempre em mente os níveis de custos de cada campanha, comparando-os aos níveis de arrecadação, de acordo com legislação governamental, regulamentos ou práticas comunitárias.

70. Considere a possibilidade de contratar profissionais qualificados como conselheiros para suas campanhas, após verificação das recomendações e exame das credenciais.

71. Considere a possibilidade de trocar suas listagens de possíveis doadores com as de outras organizações semelhantes.

72. Dirija seus apelos em motivações básicas, incluindo compaixão, altruismo, simpatia, obrigação, satisfação própria, etc.

73. Determine as razões específicas pelas quais sua proposta foi rejeitada e verifique se é possível corrigi-las e reapresentá-la.

74. Estabeleça um programa de “amostragem” de doações.

75. Como alternativa, investigue a possibilidade de um Programa-Relacionado de Investimentos com uma fundação.

76. Obtenha o apoio de celebridades e testemunhas de seus trabalhos bem sucedidos.

77. Apresente sua proposta positivamente, enfatizando os benefícios advindos para o doador, receptor, comunidade, etc.

78. Dê nomes aos seus projetos de arrecadação.

79. Verifique que você está cumprindo com todas as formalidades legais.

80. Sua proposta deve comunicar a necessidade imediata de doação.

81. Os objetivos de sua organização devem causar impacto direto em seus doadores em potencial.

82. Aqueles elementos que apresentam a proposta devem demonstrar um forte sentimento de envolvimento e obrigação para com o projeto.

83. Aprenda a cultivar doadores potenciais de grandes somas.

84. Personalize seus apelos ao máximo.

85. Mostre ao seu doador potencial que outras pessoas, em posições semelhantes, já contribuíram.

86. Motive o orgulho de doar, através de apelos que dignificam o doador.

87. Persistência e capacidade de adaptação são as qualidades mais importantes para um arrecadador de fundos.

88. Seja realista no estabelecimento de seus objetivos de curto e longo prazos.

89. Reconheça publicamente as doações, se autorizado pelo doador ou, em particular, caso contrário.

90. Os doadores devem receber benefícios psíquicos, inexpensivos e tangíveis.

91. Estabeleça uma rede de auxílio que possa abrir portas e ajudá-lo a resolver problemas.

92. Crie diferentes categorias de membros: ativos, estudantes, empresas, etc.

93. Inicialmente, procure assessoria profissional para estabelecer um sistema contábil.

94. Considere uma equipe de apoio e voluntários para lidar com os fundos da campanha.

95. Periodicamente, faça uma reavaliação de objetivos de longo prazo e instrumentos de vendas.

96. Selecione um Conselho Diretor atuante e não simplesmente nominal.

97. Estabeleça promoções especiais, com benefícios para aqueles elementos-membros da organização que participam das campanhas de arrecadação, e especialmente no recrutamento de novos elementos.

98. Prepare-se exaustivamente para as reuniões com os doadores potenciais, até mesmo ensaiando antes.

99. Correspondência, propostas e material de apoio devem ser cuidadosamente datilografados, em papel timbrado, bem organizados e corretamente redigidos.

100. Conselheiros devem ser constantemente treinados e informados sobre novos desenvolvimentos no campo, de forma a poderem contribuir com novas diretrizes e oportunidades.

101. Arrecadação de fundos é algo mais do que pedir dinheiro: ela inclui a estrutura adequada de sua organização, habilidades em comunicação, programação, pesquisa, administração para cortar despesas e “pechinchar” antes de comprar, etc.

LHMbrasil

São Paulo SP

loumello@lhmbrasil.com.br

Cel; 011-954.660.423

LHMLogo

Show Buttons
Hide Buttons