Desenvolvimento

Dr. Dale W. Kietzman

 

Ouvi falar de Desenvolvimento há mais de trinta anos, foi uma situação engraçada porque fui nomeado diretor de desenvolvimento no braço brasileiro de uma missão internacional e não fazia a menor ideia do  significado da coisa. Evidentemente, não estou tratando da palavra em si, mas de um conceito, muito conhecido nos Estados Unidos.

Quem me nomeou para o cargo foi o Dr. Dale W. Kietzman, ele era o vice-presidente para a América Latina, naquela organização. Antes disso, ele me perguntou o que eu sabia sobre o tema e eu respondi com um sincero: não faço a menor ideia. Como eu já estava visitando igrejas para divulgar o trabalho da missão, ele pediu-me para continuar fazendo esse trabalho, mas priorizando a captação de novos nomes e endereços para nosso mailling list, pois um mailling estático não nos serviria para muita coisa.

Quando o Dale voltou ao Brasil, cerca de dois meses depois, trouxe um curso completo sobre Desenvolvimento e jogou sobre minha mesa, dizendo: estude esse material e na próxima vez que eu vier, conversaremos a respeito.

Ele cumpriu a promessa, conversamos sobre Desenvolvimento durante bom tempo. No final, me informou que, no dia seguinte, haveria um seminário para o pessoal da Missão e eu falaria sobre desenvolvimento aos meus colegas. 🙂

Foi um início de um treinamento que só terminou quando Dale foi para o andar de cima, em 2015. Atualmente, há uma nova Universidade Dale W. Kietzman lá nos Estados Unidos. Embora ele fosse antropólogo por formação (19 anos trabalhando com a Wicliffe no Brasil – causa indígena), nunca encontrei ninguém com o conhecimento dele em Fundraising para organizações cristãs.

Até hoje o conceito não emplacou por aqui. As escolas de administração, propaganda e marketing pouco ou nada sabem a respeito. Mas é muito simples, embora possa ter implicações complexas, trata-se de algo bem mais abrangente e consistente que inclui marketing e, consequentemente, a comunicação e a captação de recursos como uma ação única e interdependente.

Em minha opinião, enquanto não aprendermos a fazer Desenvolvimento, continuaremos arranhando feito gatinhos inofensivos na área de Captação de Recursos. Aliás, esse nome (Captação de Recursos) pegou como se fosse algum hit do Roberto Carlos. Quando comecei, chamavam fundraising de Levantamento de Fundos, por aqui.

O que se faz no Brasil hoje, nessa área, inclusive nas organizações cristãs, é correr atrás do dinheiro. Os diretores das ONGs têm só uma pergunta para os captadores: “Show me the money!” Frase lapidar do personagem de Cuba Gooding Jr. em Jerry Maguire. 

As missões cristãs são fruto do mandato de Deus, nas palavras de Jesus de Nazaré:

Curem os enfermos, ressuscitem os mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios. Vocês receberam de graça; dêem também de graça.
Não levem nem ouro, nem prata, nem cobre em seus cintos;
não levem nenhum saco de viagem, nem túnica extra, nem sandálias, nem bordão; pois o trabalhador é digno do seu sustento.
Mateus 10:8-10

Entretanto, há muito a fazer em uma organização engajada em missões cristãs, mas dinheiro nunca será nosso objetivo.

Claro que sou especializado em organizações cristãs com viés protestante, embora já tenha trabalhado para todo tipo de organização, independentemente das convicções teológicas e filosóficas de cada uma.

Nos Estados Unidos o ensino cristão tem força inimaginável. As escolas cristãs se multiplicam por todo o país e em altíssimo nível. Isso garante ao povo norte americano uma cultura fortemente embasada em princípios cristãos.

Nessa estrutura, o Desenvolvimento desempenha papel fundamental, pois é graças a sua prática meticulosamente profissional onde tudo isso torna-se possível.

Grande abraço

Lou Mello

OPS: Não deixe de ler meus artigos e opiniões sobre Desenvolvimento (Comunicação e Captação de Recursos) .