A Essência do Terceiro Setor


Qual a essência do Terceiro Setor? O que o caracteriza? Segundo Luiz Carlos Merege da FGV, o TS é formado por organizações privadas com a finalidade da prestar serviço público.

Essas organizações, como prestadoras de serviços públicos gratuitos, não têm fins lucrativos. Sua sustentação origina-se em doações ou na geração de receitas destinadas a projetos específicos e observados os limites concedidos pela lei.

A atuação dessas instituições é muito interessante, por várias razões. Uma delas é o seu caráter privado. Ele permite a um grupo de cidadãos o direito de organizar-se em uma Associação (por exemplo) e através dela enfrentar uma determinada necessidade pública em diversas áreas (social, cultural, educacional, da saúde, do lazer, etc…).

Uma associação dessa natureza é muito mais ágil no cumprimento desses propósitos, na maior parte das vezes, se comparadas aos serviços similares prestados pelo poder público.

Entretanto, é essencial haver a manutenção do caráter privado para garantir independência e essa agilidade.

No Brasil, tem crescido assustadoramente o número de organizações não governamentais ou organizações da sociedade civil, cuja finalidade é filantrópica, que são sustentadas com verbas públicas. Ao fazerem essa opção (ser sustentados pelo estado) elas perdem a independência, pois, essas verbas estão sujeitas a condições pré-estabelecidas, sempre.

Idealmente, essas verbas viriam para complementar as receitas necessárias à implementação de projetos específicos das entidades. Mas, na prática, a maioria das organizações não lucrativas está se especializando em sustentar-se unicamente com as verbas públicas. Ora, qual o nome ou a classificação correta a ser dada a uma organização 100% sustentada com verbas públicas? Passa a ser terceirização, o que as tira a condição filosófica necessária para serem consideradas organizações do terceiro setor autênticas.

Além disso, essa prática é paternalista e todos nós sabemos as consequências disso.

Outra desvantagem desse sistema de sustentação é óbvia, quanto mais dinheiro o poder público comprometer-se a repassar às empresas conveniadas, mais ele precisará arrecadar na forma de impostos. Uma doação enviada diretamente a uma ONG é aproveitada integralmente. Enquanto o poder público precisa arrecadar duas ou três vezes mais para pagar os custos da manutenção do sistema.

 020914_2037_ASSFBatista2.jpg


Author: Lou H. Mello

Olha só, pessoal assíduo no meu blog profissional já está careca de saber quais são as minhas graduações e tentativas de pós, etc. Pessoalmente, dou pouco valor a tudo isso. É mais um mercado, apenas, onde as universidades acreditam ter o monopólio dos diplomas. Ledo engano. A ajuda é sempre muito relativa. Estudei a Bíblia e ainda o faço, dei aulas em várias escolas teológicas, até o pessoal encerrar minha carreira, nessa área. Acho que não me achavam adequado, sei lá. Legal mesmo, foi viajar por aí a pampa, com destaque à missão para a Albânia, em 1979 e países da África em 1981. Depois disso rodei muito pelos EUA e Europa, mas nada demais nisso. Tenho espírito missionário, acho, mas nos EUA estava mais interessado em fazer um pé de meia. Não deu certo. Mas aprendi muito por lá, onde há muito a aprender.
Atualmente, acalento o Projeto Corações Valentes e tento manter dois ou três clientes, aos quais presto consultoria na área de Desenvolvimento (Comunicação e Captação de Recursos), algo que aprendi com os norte-americanos, campeões nessa área, , sobretudo, com Dr. Dale W. Kietzman, meu mentor em marketing para organizações não lucrativas. Entretanto, e aos poucos, acho que estou de coisa com a mudança comportamental, de tanto buscá-la para mim mesmo. Culpado disso foi o Dr. Zenon Lotufo Jr, que investiu em minha pessoa, muito além do normal. Talvez 2017 me abra algumas portas nessa área,
Esse blog surgiu como a forma ideal para a prática de algo que sempre gostei muito de fazer, ou seja, escrever e me livrar dessa coisa interior que pressiona meu peito e pode me matar. Tenho alguns projetos de livros em andamento, quem sabe ainda edito um ou alguns deles, antes de fazer a travessia.
Gosto de escrever, de música, literatura em geral, educação, astronomia (minha segunda paixão secreta, Ih falei), educação física e, de vez em quando, dou um ou outro pitaco nessas áreas também. Sou o principal leitor de tudo que escrevo. Ter leitores sempre foi algo inimaginável, enfim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *